Colheita de sangue e registo de medula óssea na Pintor

2

No dia 15 de março, das 15:00h às 19:00h a Equipa do Projeto de Educação para a Saúde (PES) em parceria com a Associação de Dadores de Sangue da Freguesia da Meadela (ADSFM), promoveram a atividade “Recolha de sangue e registo de medula óssea” com a colaboração do Instituto Português de Sangue e da Transplantação do Porto (IPST).

Registaram-se 21 inscrições, tendo 16 reunido as condições exigidas para efetuarem a dádiva de sangue e 2 efetuado o registo de medula óssea.

A brigada do IPST avaliou a adesão à iniciativa como positiva apesar da diminuição de participantes em relação aos anos anteriores.

A Equipa do PES agradece aos encarregados de educação, professores, assistentes operacionais e pessoas da comunidade que compareceram na escola e especialmente à ADSFM e ao IPST pela colaboração nesta causa tão nobre e altruísta.

Um dos objetivos da atividade é a sensibilização dos nossos alunos para a importância da dádiva para que no futuro possam também ser dadores.

 Bem hajam!

A equipa PES

Advertisements

Colheita de sangue e registo para medula óssea

A atividade, promovida pelos professores que integram o “Projeto Educação para a Saúde” em parceria com a ADSFM, terá lugar no dia 15 de março de 2019, das 15:00h às 19:00h, na Escola Sede.

Esta recolha está a cargo do Instituto Português de Sangue e da Transplantação (IPST).

This slideshow requires JavaScript.

Quem pode dar sangue?

Pode dar sangue se tiver bom estado de saúde, hábitos de vida saudáveis, peso igual ou superior a 50kg e idade compreendida entre os 18 e os 65 anos. Para uma primeira dádiva, o limite de idade é aos 60 anos.

Agradecemos desde já a vossa colaboração.

Inscrevam-se!

                                                      Dar sangue é dar vida!

A equipa PES

Estudo demonstra efeitos da agricultura biológica na saúde humana

Segundo a agronegocios.eu, o Centro de Serviços de Investigação do Parlamento Europeu realizou revisões sobre diferentes estudos na área da alimentação e agricultura biológica bem como o impacto dos seus efeitos na saúde humana, com foco na questão da saúde pública.

ag_bio

As conclusões, apontam para o aconselhamento a grávidas e crianças para o consumo de frutas e legumes biológicos, para a necessidade de maiores apoios à agricultura biológica, alimentação biológica e investigação na área, assim como para a necessidade de maior fiscalização.

agricultura-biologicaO estudo demonstra ser já um dado científico que o público consumidor de produtos biológicos tem maior tendência a hábitos de vida saudáveis como um maior consumo de fruta, legumes e cereais integrais.

Estes mesmos hábitos estão associados a uma diminuição da Diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares. Conclui ainda que estas tendências são também positivas ambientalmente estando associadas a uma menor libertação de gases de estufa e melhor uso da terra.

ag_bio3O facto de não serem usados químicos de síntese na alimentação biológica é certamente um fator de redução de riscos para a saúde humana. O estudo conclui que a exposição aos pesticidas é substancialmente reduzida assim como o risco de sofrer das doenças crónicas a eles associadas.

Outro fator de interesse revisto é a qualidade do solo e das plantas na produção biológica. O solo apresenta menores níveis de azoto e o desenvolvimento das plantas é mais positivo. Verificaram-se quantidades ligeiramente superiores de polifenóis em alimentos biológicos, sendo estes compostos importantes para a prevenção de doenças crónicas em seres humanos.

ag_bioOs investigadores apontam para o facto de que há outras variáveis envolvidas no que diz respeito à composição nutricional das plantas, tais como: variedade, tipo de solo, clima e as condições climáticas.

No momento em que se prepara uma nova legislação para a Agricultura Biológica na Europa, as conclusões políticas do estudo apontam para a importância de proporcionar maiores apoios à agricultura biológica, alimentação biológica e investigação na área, assim como para a necessidade de maior fiscalização.

A equipa PES

Doce Natal

A equipa PES deseja a toda a comunidade um Santo e Feliz Natal, recheado de saúde e paz.

Para adoçar a época natalícia que vivemos, deixamos a receita de uma casinha muito especial, com cheirinhos de gengibre, esperando que leve até todos um abraço de conforto.

A equipa PES

Como viver o Natal em forma

This slideshow requires JavaScript.

Não abuse todos os dias

Escolha os dias em que vai comer mais do que o normal (ceia de Natal, por exemplo) e nos restantes dias faça um esforço consciente para cuidar bem de si.

Não absorva gordura desnecessariamente

Antes dos excessos, tome carvão vegetal ativado que ajuda a reduzir a absorção de gorduras, açúcares, gases e toxinas.

Atenção ao jantar

Os açúcares são desaconselhados em particular na hora de jantar. Toda a energia não consumida transforma-se facilmente em gordura.

Não chegue à hora das refeições cheio de fome

Evitar a sensação de fome, com uma peça de fruta ou um iogurte, faz com que chegue às refeições mais saciado e assim reduz as quantidades de comida que ingere.

Mexa-se sempre que pode

Não se esqueça que qualquer exercício físico queima calorias, suba escadas, passeie o mais que pode e no dia da ceia procure fazer exercício mais intenso… vai ver que não se arrepende

Beba água, sempre

Muitas vezes pensamos que estamos com fome enquanto na verdade o organismo precisa de água. Antes de petiscar, beba um copo de água e verá a diferença.

E lembre-se… corpo saudável, vida saudável também pode ser sinónimo de Natal Feliz!

A equipa PES

Chegou a castanha portuguesa

A nossa castanha apresenta diversas formas de consumo e comercialização, como castanha congelada, castanha torrada, castanha em conserva, castanha em calda, farinhas, aperitivos, entre outros.

castanha

Além disso, por não conter glúten, essa oleaginosa atende ao grupo dos portadores da doença celíaca, já que a farinha de castanha portuguesa é uma alternativa saudável em substituição ao trigo e outros farináceos que possuem glúten.

Ao analisar sua composição nutricional, conclui-se que a castanha portuguesa é um alimento saudável por ser uma boa fonte de nutrientes essenciais, fonte de energia, proteínas que apresentam bom perfil de aminoácidos, fibras, vitaminas, minerais e baixo conteúdo de gordura, mas é importante lembrar que o consumo deve ser moderado.

Açucares

Os açucares presentes na castanha portuguesa são compostos por dois tipos de amido, amilose e o amilopectina. O primeiro é responsável por fornecer energia e o outro por efeitos positivos sobre as funções do intestino.

Lipídos

Trata-se de um alimento com baixo teor de gordura e, consequentemente, hipocalórico.

Fibra

A castanha portuguesa possui quantidades significativas de fibra o que reduz o tempo de trânsito intestinal.

Vitaminas

As vitaminas que podemos destacar são a E e a C, a primeira age no organismo como agente antioxidante, combate os radicais livres e o retardar no envelhecimento; a segunda é importante na defesa do organismo contra infecções e fundamental na integridade das paredes dos vasos sanguíneos.

Minerais

As castanhas têm um conteúdo mineral importante, que desempenha funções essenciais no organismo humano, apresenta uma quantidade significativa de ferro, atua principalmente na síntese (fabricação) das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigénio para todas as células do corpo.

A equipa PES

(adaptado de https://www.natue.com.br/natuelife)

Dia da Alimentação

   O Dia Mundial da Alimentação começou a ser celebrado em 16 de outubro de 1981 e, hoje em dia, já abrange mais de 150 países que partilham a preocupação de consciencializar a opinião pública sobre a importância da adoção de hábitos alimentares saudáveis, como promoção da saúde.

   alimentacaosaudavel

    Um estudo muito recente e surpreendente do ISPUP (Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto) concluiu que crianças até aos 4 anos de idade consomem doces e refrigerantes todos os dias e 9 em cada 10 crianças consomem diariamente de modo abusivo sal. Este estudo a 8700 crianças concluiu que 73% consomem alimentos densamente calóricos, como hambúrgueres, pizas e batatas fritas. Estes dados assustadores e alarmantes refletem uma sociedade virada para o “rápido e fácil” e pouco preocupada com o dia de amanhã. O ambiente que rodeia as crianças nesta faixa etária necessita de ser mais consciente no que respeita à alimentação. Não só em casa mas também nas escolas e jardins de infância, a preocupação de comer bem e melhor deve ser incutida.

(adaptado de https://www.portoeditora.pt/espacoprofessor)